Terça-feira, 5 de Junho de 2007

Vamos de Férias!!!!!

 

 

 

Estão a acabar as aulas!!!

Mais um ano que passou....

ATENÇÃO!!! que para o ano somos FINALISTAS!!!! à que trabalhar!!!!

Bem, fora de brincadeiras, foi um prazer trabalhar neste blog, pois assim, demo-vos a conhecer as nossas prespectivas sobre as tecnologias da comunicação educacional... para o ano há mais e vamos tentar nao deixar de postar neste blog, pois esta é tambem uma maneira de podermos comunicar e de aprendermos mutuamente!!!!

Boas Ferias e divirtam-se muito!!!!!

Até para o ano!!!!

Sentimo-nos:: Realizadas!!!!!
publicado por Fantastic 4 às 16:47

link do post | comentar | favorito

As Tecnologias da Informação e Comunicação e a sua importância social

         

         As TIC tem mostrado a sua importância social de várias maneiras, é pela Internet que temos acesso a todos os tipos de sites sobre os mais diversos assuntos. Existem sites a nível político, a nível cultural, a nível social, a nível psicológico e sites de puro divertimento.

       Na actualidade não nos podemos abstrair de notícias, que através destas mesmas TIC, nos entram pela casa dentro, a notícias da criança inglesa desaparecida no nosso pais cerca de um mês, a menina Madeleine. Os media portugueses tem sido incansáveis em divulgar esta notícia que chocou muitas pessoas por todo o mundo. Rapidamente, as tecnologias da informação e comunicação, tiveram utilidade, no que diz respeito à criação de vários sites de apoio a família de Madeleine MCcan. Outros sites onde se pode ver o histórico da menina, bem como maneiras de a identificar, como por exemplo a marca dos seus olhos tão característicos, www.findmadeleine.com.

          Outras crianças desapareceram nos últimos anos, em Portugal, assim, com estas iniciativas para encontrar Madeleine, outras famílias portuguesas seguiram o exemplo e abriram sites na Internet com a história dos seus familiares desaparecidos. Um caso muito conhecido é o do menino Rui Pedro, que desapareceu de Lousada e nunca mais foi visto. A sua mãe nunca deixou de procurar mas viu nesta caso a oportunidade de reavivar a memoria da pessoas e publicou na Internet todos os dados do seu filho bem como fotos, para que a historia não caía no esquecimento, podemos ter acesso a estas informações a partir do site www.ruipedro.net.

          Percebemos que as TIC são cada vez mais indispensáveis quando se fala na sensibilização social para estas causas, que infelizmente acontecem cada vez com mais frequência no nosso quotidiano. Os media começam a ser um bem cada vez mais imprescindível para as novas sociedades de informação que se instalaram neste século.

Sentimo-nos:: sensibilizadas
publicado por Fantastic 4 às 16:07

link do post | comentar | favorito

Redes e contextos de educação e formação na sociedade de informação

    

 

      Os ambientes de aprendizagem baseados na Web, ganham a sua importância conforme os objectivos que são pretendidos e dos recursos que estão disponíveis.

     Da interacção e comunicação em rede, quer seja ela síncrona ou assíncrona (chats, foreuns de discussão, correio electrónico) resulta a criação de comunidades de aprendizagem, nos quais há a partilha de opiniões, ideias, de conhecimento.

     Visto as estratégias de aprendizagem centrarem-se, cada vez mais, naquilo o que os alunos aprendem e nas estratégias que usam para orientar a sua aprendizagem, então há a necessidade dos professores se adaptarem a essas estratégias a fim de responderem ás necessidades dos alunos.

     As novas tecnologias de informação e comunicação permitem que o ensino se possa expandir no que respeita ás formas de ensinar possibilitando criar novas actividades de cariz mais interessantes e motivantes para o próprio aluno. Assim possibilita-se que as comunidades de aprendizagem se alarguem.

     Assim com a crescente evolução tecnológica já é possível que o aluno possa acompanhar uma aula por computador e que até interaja com o professor. Permitem também incentivar o desenvolvimento intelectual dos alunos, quebrando ainda a ideia de que as aulas apenas funcionam “dentro de quatro paredes”.

    

     Concluindo e segundo José Pedro da Ponte “o computador é um novo meio de expressão e comunicação que é capaz de simular de forma dinâmica o trabalho de outros meios, incluindo os que não podem existir fisicamente.”

 

PONTE, João Pedro (1997). As novas tecnologias e a educação. Lisboa: texto editora, p.46

 

DIAS, Paulo (2001). Comunidades de aprendizagem na Web. Revista Inovação
publicado por Fantastic 4 às 13:58

link do post | comentar | favorito
Domingo, 3 de Junho de 2007

Processos colaborativos nas comunidades de aprendizagem em rede

As comunidades em rede são antes de mais e acima de tudo uma forma completamente inovadora de aprendizagem, a educação ganha novos moldes, em novo espaço forma-se um conceito totalmente novo e único.

Estas comunidades on-line, ocupam um espaço virtual, são meio de suporte informativo, lugar de construção de conhecimento e partilha de aprendizagens. Aqui insurgem-se duas palavras associadas, colaboração e cooperação. De facto, o contexto de aprendizagem colaborativa tem evoluído se era tido como análise individual do funcionamento de processos no grupo, sem dedicar muita atenção aquilo que é a interacção social, agora, ganha novos contornos, os modelos colaborativos incidem sobre o grupo e a interacção social que este desenvolve nas ou através das redes digitais. Quanto à aprendizagem cooperativa esta baseia-se naquilo que é a distribuição do trabalho pelos membros integrantes do grupo acompanhada então da colaboração destes mesmos para a realização uníssona e sincronizada de uma tarefa ou problema.

O professor assume um novo papel, passa a ser elemento mais autónomo e facilitador das tarefas dos alunos em vez de apenas transmissor, o que enriquece o desempenho do aluno que passa a ser mais activo e a relação professor-aluno ganha novas dimensões, a meu ver, positivas, pois existe uma aprendizagem como processo de transmissão, o aluno aprende pelas suas próprias competências sobre a mais correcta orientação, é uma aprendizagem centrada no aluno, ele é figura central, o seu papel é enfatizado, é uma aprendizagem como participação, existe construção, interacção, processos sociais envolvidos, eu faço parte de uma comunidade que vai partilhar conhecimentos eu com ela vou cooperar e colaborar para evoluir.

As tecnologias de informação e comunicação deixam, assim, de ser simples meio de contacto para ser instrumento, instrumento de aprendizagem, de construção colaborativa de conhecimento, mudando a forma como os alunos aprendem abrindo possibilidades a novas formas de aprender e transmitir conhecimento.

As redes não são apenas novos espaços de acesso e transmissão de informação, são lugares educativos, propõe-se uma comunidade online, onde se partilha, expõe perspectivas individuais que são confrontadas com as restantes de todo um grupo, um lugar de iniciativa, de construção, onde aprender é uma orientação para a comunidade e pela comunidade, existe um envolvimento mútuo.

Em suma, este novo meio de aprendizagem que são as redes, as comunidades online, são acima de tudo flexíveis e dinâmicos, chamam a exposição individual, pedindo colaboração e cooperação em grupo, cria-se conhecimento, transmite-se informação, partilha-se saber, sob orientação do professor, interage-se, com este novo manusear tecnológico leva, ainda, ao desenvolvimento das interacções e relações sociais no âmbito das redes de aprendizagem e por aqui se caminha e dá forma para uma sociedade do conhecimento.                                                                                                                                                         

Dias, Paulo(2004). Processos de aprendizagem coloaborativa nas comunidades online . in Ana Augusta da Silva Dias e Maria João Gomes (coords.), E-Learning para E-Formadores. Guimarães: TecMinho/Gabinete de Formação Contínua, Universidade do Minho

 
publicado por Fantastic 4 às 13:58

link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 29 de Maio de 2007

Impacto das comunidades de aprendizagem na educação e formação ao longo da vida

"É actuando no mundo que nos formamos, que nos tornamos seres historicos e éticos, capazes de optar, de decidir, de romper"

                                                   Paulo Freire, 2000

Dada uma Europa que evolui cada vez mais quer a nível económico, tecnológico quer a nível de envelhecimento demográfico a aprendizagem ao longo da vida, como a educação e a formação, transformou -se numa necessidade. A actualização e a renovação contínuas dos conhecimentos, das aptidões e das competências dos cidadãos são fundamentais para a competitividade e a coesão social. Todavia, esta aprendizagem é dificultada pela falta de comunicação e de cooperação entre os organismos de ensino e formação e as respectivas autoridades governamentais. Os obstáculos que daí advêm impedem não só o acesso dos cidadãos à educação e à formação, como também inviabilizam a conjugação das qualificações que tenham obtido em instituições distintas, obstando assim à prossecução da aprendizagem ao longo da vida. Por outro lado, a inexistência de disposições que dêem aos cidadãos a possibilidade de transferirem qualificações entre contextos de aprendizagem pode criar obstáculos potenciais à mobilidade dos trabalhadores e dos aprendentes no mercado de trabalho europeu. Existem assim vários programas comunitários de educação e formação por exemplo O Programa de Aprendizagem ao Longo da Vida. Promove intercâmbios, a cooperação e a mobilidade entre os sistemas de ensino e formação na Comunidade.

·         Contribuir para melhorar a qualidade das possibilidades de aprendizagem, tornando-as mais atractivas e acessíveis.

·         Reforçar o contributo da aprendizagem para a coesão social, a cidadania activa, o diálogo inter cultural, a igualdade entre homens e mulheres e a realização pessoal.  

·         Promover a aprendizagem de línguas e a diversidade linguística.

·         Apoiar o desenvolvimento dos meios facultados pelas tecnologias da informação e comunicação (TIC).

·         Promover a cooperação em matéria de garantia de qualidade em todos os sectores da educação e da formação.

"Uma pessoa permanece jovem na medida em que ainda é capaz de aprender, adquirir novos habitos e tolerar contradições"

                                                    Marie Von Ebner - Eschenbach

publicado por Fantastic 4 às 15:07

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Abordagens educacionais nas comunidades de aprendizagem em rede

§                    Os media do conhecimento

“Embora a expressão «Tecnologia e Comunicação Educacional» se tenha incorporado nas terminologia pedagógica há apenas 30 anos, o vínculo entre tecnologia e comunicação e comunicação em educação não é um fenómeno recente.

A ênfase actual na tecnologia educativa deve-se à intensidade, profundidade e celeridade das mudanças na tecnologia da informação nas últimas décadas. Estas mudanças têm vindo a revolucionar o campo da informação e, em consequência, a Educação”.

Neste pequeno excerto, Bento Silva, fala-nos daquilo que podemos chamar de “novos” media que surgem com características inovadoras, uma das mais importantes é o dinamismo. Acompanhada destes meios de comunicação inovadores, vem a ideia de abordagem construtivista. Esta abordagem coloca o aluno na posição de protagonista na acção/aprendizagem e é este que contextualiza os ambientes de aprendizagem para seu próprio comodismo. O professor, por sua vez, aparece “como facilitador, acompanhante e tutor das actividades do aluno” (Dias, 2000).  

 

§                    Hipertexto e Educação

O conceito de hipertexto apareceu nos anos 60 pela mão de Ted Nelson que o designava como um sistema não linear de organização da informação. Quando cuidadosamente planeado o hipertexto tem várias vantagens: 

Ø     Sistemas de hipertexto enquanto ferramentas de ensino e aprendizagem parecem facilitar um ambiente no qual a aprendizagem acontece de forma acidental e por descoberta, pois ao tentar localizar uma informação, os usuários do hipertexto, participam activamente de um processo de busca e construção do conhecimento, forma de aprendizagem considerada como mais duradouras e transferível do que aquela directa e explicita.

Ø     Uma sala de aula onde se trabalha com hipertextos transforma-se num espaço transaccional apropriado ao ensino e aprendizagem colaborativos, mas também adequado ao atendimento de diferenças individuais, quanto ao grau de dificuldade, ritmo de trabalho e interesse.

 

“O acesso aos conteúdos num hipertexto ideal é completamente livre, interactivo e não sequencial entre os conteúdos, e entre estes e o utilizador, processo este que é organizado preferencialmente em ordem às necessidades e estilos individuais de aprendizagem e não por uma sequencia formal estabelecida pelo autor” (Dias 2000).

 

 

 

 

 

 

publicado por Fantastic 4 às 14:44

link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 1 de Maio de 2007

Educação e sociedade em rede

                             

A Internet não é uma simples tecnologia de comunicação, mas o epicentro de muitas áreas da actividade social, económica e política. Por este motivo, a Internet converte-se num grande instrumento de exclusão social, reforçando o hiato entre pobres e ricos, existente na maior parte do Mundo. Mas, por outro lado, a Internet, funciona como uma ágora global, onde as pessoas podem expressar e partilhar as suas preocupações e esperanças.

Desta forma a Internet tem potencialidades ao poder implicar e responsabilizar os cidadãos informados e conscientes dos problemas existentes na sociedade, na construção de Estados mais democráticos, conduzindo a uma sociedade mais humana e menos votada à desigualdade e à exclusão social.

 

“ Resenhas educativas”, Ana Paula Andrade Alves – Universidade do Minho

 

   Com a evolução das tecnologias e o consequente acréscimo da utilização da Internet, nos anos 80, gerou-se uma complexa discussão sobre os novos padrões de interacção social. A dependência da Internet leva ao aparecimento de comunidade virtuais on-line, mas ao mesmo tempo leva ao isolamento dos sujeitos: da vida social, da comunicação social, familiar afastando o cibernauta do mundo real parecendo que este se refugia na Internet para “esquecer” a realidade que o rodeia.

   Cada vez mais são aqueles que usam a Internet não só para pesquisas, para afazeres do dia-a-dia mas também, e quase que principalmente, para estabelecerem relações de “amizade” com conhecidos/desconhecidos (chats) como também para comunicarem á distancia com familiares (e-mail).

   Surge por isso um novo sistemas de relações sociais centrado no individuo a que Wellman denomina por “comunidades personalizadas” que se centram em redes que “se constroem de acordo com as escolhas e estratégias dos actores sociais, sejam estes indivíduos, famílias ou grupos sociais” (Castells, 2004; p. 157) centradas no próprio eu.

   Os cibernautas são maioritariamente jovens que vão em busca  da sua identidade do seu eu, o que leva a criar uma segunda identidade para esconder a sua. Muda consoante as circunstancias, interesses e necessidades.

   A Internet não acaba necessariamente com as relações sociais, pode até muitas vezes servir para solidificar relações á distancia que se dissolveram pelas mudanças estruturais da família, pelo individualismo ou até mesmo por questões geográficas.

   Nos dias de hoje, já são muitos os que fazem parte de uma “rede on-line” individualizada. Estas “redes on-line” podem tornar-se “comunidades especializadas” em que os seus participantes têm interesses específicos. Já nas “comunidades escolhidas” a interacção individualizada “é baseada na selecção de tempo, lugar e companheiros” (Kopomaa, 2000; Nafus e Tracey, 2000).

   O indivíduo, ao usufruir da Internet e das novas tecnologias, procura remodelar o modelo de interacção social que não tem que se basear propriamente numa relação cara a cara, mas sim um novo modelo de sociedade virada para as relações virtuais: a sociedade de rede.

   Em jeito de conclusão e segundo Di Maggio e outros (2000) “ a Internet parece ter um efeito positivo na interacção social e aumentar o grau de exposição a outras fontes de informação.

                                                         

 

 

 

 

publicado por Fantastic 4 às 13:48

link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 20 de Dezembro de 2006

uffa...já chegaram as férias!!! A todos um Bom Natal

 

   Caros colegas, foi um enorme prazer para as fantastic5 a realização deste blog, muito trabalhinho mas conseguimos e é um orgulho para nós.

   Foi uma experiência agradável pois aprendemos a utilidade, por vezes até, necessidade de construir um blog. Agradecemos a todos os comentários aos nossos post’s, e esperamos que a realização deste blog não termine aqui, a contínua busca de informação e transmissão da mesma não pode acabar!

   Partimos com a promessa que voltaremos, para já ficam os nossos votos de um santo natal e um feliz ano novo.

 

 

 

                                                                                    

 

F – Feliz

A – Ano

N – Novo

T – Tenham

A – Alegria

S – Saúde

T – Tristezas e

I – Infelicidades

C – Corram com elas!!!! Desejamo-vos um Natal

5  Estrelas

Sentimo-nos:: Realizadas!!!!!!
publicado por Fantastic 4 às 12:24

link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2006

Correio electrónico

 

 E-mail, correio-e, correio electrónico

 

 

   Tantos sinónimos para uma palavra só. Pensemos antes de mais, na história da Internet para percebermos a importância do correio electrónico.

   Surpresa nossa aquando a nossa pesquisa descobrimos que o e-mail é anterior ao surgimento da Internet, porque os sistemas do correio electrónico foram uma ferramenta crucial para a criação da rede internacional de computadores a que chamamos a Internet.

O primeiro sistema de troca de mensagens foi criado em 1965, em 1966 o sistema AUTODIN parece ter sido o 1º a possibilitar a transferência entre diferentes computadores.

   O programador Ray Tomlinson estreou o uso do sinal @ para a separação da máquina no endereço de e-mail e o nome do usuário, isto é em 1971.

   O que é o correio electrónico? É um composto de programas de computador que tem como suporte a funcionalidade de cliente de e-mail e de um ou mais servidores de e-mail que, através de um endereço do e-mail conseguem transmitir uma mensagem de um usuário para outro. Estes sistemas utilizam protocolos de Internet que permitem a circulação de mensagens de uma pessoa para outra ou para vários pessoas que possuem um computador ligado a Internet.

   E-mail, correio-e, ou correio electrónico, ou ainda email é um método que permite compor, enviar e receber mensagens através de sistemas electrónicos de comunicação.

   O correio electrónico tornou se tão popular devido a sua grande facilidade em quebrar barreiras geográficas. Pessoas que estão em diferentes continentes, países ou cidades podem comunicar, desde que possuam computadores ligados a Internet, eles podem enviar e receber mensagens a qualquer hora do dia e para qualquer parte do mundo. Torna as relações mais próximas mesmo estando longe.

 

                                                    

Desvantagens:    ● Vírus;

                          ● Fraudes;

                          ● Falta de conhecimento dos internautas;

 

Vantagens:   ● Barato;

                    ● Ecológico;

                    ● Rápido;

                    ● O conteúdo pode ser muito diversificado;

                    ● Possibilita o envio do mesmo conteúdo para diferentes

                       pessoas em simultâneo;

  

   O correio electrónico está a tornar-se cada vez mais importante como método de comunicação. Qualquer organização de um serviço de e-mail é segura, rápida,  tem antivírus, anti-spam ( spam é uma mensagem electrónica não solicitada enviada em massa) , listas de correio electrónico, índices (vulgos directórios), resolução de nomes e endereços, livros de endereços. A abertura de uma conta de correio electrónico pode ser feita através de um qualquer fornecedor de serviço Internet, ou de forma gratuita através dos serviços tipo disponibilizados na rede.

 

O correio electrónico mudou muito o nosso dia a dia tornou-se num meio de comunicação tão indispensável como o telemóvel. Criamos uma certa dependência a esta tecnologia, sendo um meio fácil e económico de transmitir informações ou comunicar.

Tentemos agora imaginar nosso dia sem um telemóvel ou Internet? Seria um feito muito complicado, se nunca o tivéssemos tido era uma coisa, agora que surgiu, criou uma dependência. Quando esquecemos o telemóvel sentimos um “incómodo”, uma espécie de falta. O correio electrónico iguala-se a este tipo de comunicação, mas em menor escala talvez, uma vez que é necessário possuir Internet para poder ter correio electrónico e não será um caso generalizado.

publicado por Fantastic 4 às 18:00

link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 1 de Dezembro de 2006

O Modelo de Abraham Moles

 

Este modelo surge de uma obra que Moles publicou em 1967:

“La sociodinamique de la culture”

(tem a vantagem de instruir os processos de comunicação cultural e científica que ocorrem no seio da instituição escolar)

                                 

 ANALISE DA CULTURA INDUSTRIAL

                                       

                                     Cultura de Massas

Estabelecer a dinâmica da:

·        Originalidade / Criatividade

·        Estandarização / Democratização

                              

  Que subjaz todo o circuito produção – consumo

Segundo Moles, a sociodinâmica da cultura define-se como:

  • Conjunto de sub-sistemas e sistemas nos quais confluem circuitos de mensagens e processos comunicativos, educativos e culturais.

Moles questiona-se:

  • Substitui-se cultura criativo-humanista por uma cultura cuja criação seja da autora de especialistas em marketing, psicologia social ou relações públicas?

                                                                                                               

 

                 É a contraposição entre estes dois modelos

                       ULTURA HUMANISTA VS CULTURA MASS MEDIA

           CLASSICA VS em “MOSAICO”

 

Núcleo central da argumentação do autor

 

Segundo Moles: Papel da Cultura

                                               

Proporcionar ao indivíduo um ecrã de conceito

                                             

Sobre a qual projecta e ordena as suas percepções do mundo

HUMANISTA: Papel da educação como organizadora da cosmovisão social generalizada, o raciocínio lógico assegurava a harmonia desse ecrã.

MOSAICO: Cultura em mosaico a desconexão entre temas, conteúdos, vocabulário das mensagens veiculadas pelos media provocará a génese de novos marcos de pensamento.

 

 

 

 

   Os mass media são responsáveis pela maioria das mensagens que recebemos e é por isso que Moles questiona o seguinte:"substitui-se cultura criativo-humanista por uma cultura cuja criação seja da autoria de especialistas em markting, psicologia social ou relações públicas?" (ver link)

 

   Pelos vistos hoje em dia é mesmo assim somos atraídos pela imagem, a televisão já é quase como a principal fonte de informação para muitos, ás vezes a única disponível, "vivemos realmente numa sociedade onde a informação e a cultura tem um tratamento visual", interpretamos as coisas como as vemos pois é realmente o modo mais cómodo e mais fácil de nos instruirmos. Não será isso mais perigoso?

   Ora vejamos este ecrã de conceitos que nos fala Moles (o quadro que expusemos acima) que proporciona ao indivíduo realmente as percepções do mundo. Mas quem as controla e as projecta fazem desses conceitos cultura, ou meramente markting, publicidade…audiências?

   A televisão nos dias de hoje tem uma influência extraordinariamente preocupante, uns dizem que os programas violentos nada tem a ver com os comportamentos violentos que se verificam nas pessoas, e outros censuram e repudiam tais programas assinalando que as pessoas que assistem-nos, na sua maioria crianças, tendem de facto a copiar tudo que vêm e isso verifica-se nas escolas, as ruas, no meio social. O que se pode concluir daqui?

   A televisão, os meios de comunicação têm culpa no cartório? E aqueles que detêm o poder de decisão sobre os meios de comunicação através dos chamados embargos e "sinais verdes"? Isto é que realmente deve ser discutido ao pormenor: A INTERACÇÃO ENTRE TECNOLOGIA E CONDUTA SOCIAL!

   Não é só a televisão que passa programas "enfadonhos",sem conteúdo, informação pobre, enfim cultura mínima , como também tecnologias da comunicação como os computadores destabilizam toda uma vida social, distanciam as pessoas, criam dependências e no caso dos chats, messengers e outros sites (por vezes desadequados a certas idades) geram o verdadeiro perigo para os mais desprevenidos ,falando com estranhos, confidenciando dados que podem ser usados contra o próprio que os forneceu.

 

   Isto deveras preocupa-nos, e não, não estamos a ser muito pessimistas milhões de pessoas tem acesso a estas tecnologias, é um consumo diário alarmante então da televisão muito mais que entra hoje em dia na casa de qualquer um, programas como:"Morangos com Açúcar","New Wave" e outras "tretices" (desculpei-nos o termo, mas é mesmo assim) são extremamente graves para a saúde mental dos jovens pois não ensinam nada e o panorama social das personagens nada tem a ver com a situação social da maioria dos jovens portugueses, e temas como drogas, sexualidade, aborto, gravides na adolescência são tratados de forma muito banal e inconsciente...e realmente é de preocupar que programas como estes batam recordes de audiências.

   O problema/culpa é de quem transmite estes programas ou será mesmo de quem os vê? Pois, se as fantastic5 fossem pais certamente excluíriam este "prato" do" menú" e alimentaríamos os nossos filhos com algo mais criativo e didáctico. Útil para o desenvolvimento intelectual e não só. Nem sempre os pais podem controlar de onde os filhos recebem as informações, as fonte do seu conhecimento, por mais que os produtores dos programas nos despejem com este lixo em termos de cultura e coloquem as bolinhas vermelhas no canto direito, estão lá e não há nada a fazer, quer dizer há de facto uma solução que é desligar a televisão, pois os 3 canais disponíveis na rede pública "distribuem" o mesmo pacote comercial, igual a lixo!!!cultura???Nós chamaríamos poluição mental!

 

  Só um á parte – falamos em 3 programas pois a "dois"(rtp2:) ao longo destes anos aparentemente é o único que se tem vindo a esforçar para nos ensinar algo, transmitir a verdadeira cultura, tanto para os mais pequenos como para os adultos...um canal para toda a família, mas o que explica tão pouca audiência?? Pois é este canal de comunicação não tem big brothers, ilhas da tentação, morangos , florzinhas , Fátimas Lopes e companhia, lameichices etc, para nos iluminar com a sua grandiosa cultura, pois aprende-se realmente muito.... a chegar a lado nenhum!!

    É esta estandardização que nos preocupa e este tratamento visual tem realmente os seus efeitos: positivos ou negativos, apenas depende do modo como nós assimilamos essas imagens, com apreendemos aquilo que os mass media nos transmitem e saber separar a boa informação da má, pois a interacção entre tecnologias e conduta social é fortíssima, real, muito proveitosa para aqueles que a sabem utilizar e perigosa para aqueles que se limitam a aceitar a informação tal como ela é, neste caso como ela se apresenta.

 

LEIAM MAIS E ESCOLHAM PROGRAMAS MAIS INSTRUTIVOS...ORIGINALIDADE E CRIATIVIDADE para crescermos enquanto pessoas!

 

 

 

 

 

 

 

Sendo este tema bastante interessante, e tendo ainda muita coisa ficado por dizer, pedimos desculpa pela extensão do post. Mas leiam porque de certeza que muitas das vossas inquietações  foram aqui referidas pelas fantastic 5.

 

publicado por Fantastic 4 às 22:00

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

.Nós...no sentido figurado :)

.Pesquisar neste blog

 

.Junho 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.Posts recentes

. Vamos de Férias!!!!!

. As Tecnologias da Informa...

. Redes e contextos de educ...

. Processos colaborativos n...

. Impacto das comunidades d...

. Abordagens educacionais n...

. Educação e sociedade em r...

. uffa...já chegaram as fér...

. Correio electrónico

. O Modelo de Abraham Moles

.Arquivos

. Junho 2007

. Maio 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

.tags

. todas as tags

.Links