Terça-feira, 29 de Maio de 2007

Abordagens educacionais nas comunidades de aprendizagem em rede

§                    Os media do conhecimento

“Embora a expressão «Tecnologia e Comunicação Educacional» se tenha incorporado nas terminologia pedagógica há apenas 30 anos, o vínculo entre tecnologia e comunicação e comunicação em educação não é um fenómeno recente.

A ênfase actual na tecnologia educativa deve-se à intensidade, profundidade e celeridade das mudanças na tecnologia da informação nas últimas décadas. Estas mudanças têm vindo a revolucionar o campo da informação e, em consequência, a Educação”.

Neste pequeno excerto, Bento Silva, fala-nos daquilo que podemos chamar de “novos” media que surgem com características inovadoras, uma das mais importantes é o dinamismo. Acompanhada destes meios de comunicação inovadores, vem a ideia de abordagem construtivista. Esta abordagem coloca o aluno na posição de protagonista na acção/aprendizagem e é este que contextualiza os ambientes de aprendizagem para seu próprio comodismo. O professor, por sua vez, aparece “como facilitador, acompanhante e tutor das actividades do aluno” (Dias, 2000).  

 

§                    Hipertexto e Educação

O conceito de hipertexto apareceu nos anos 60 pela mão de Ted Nelson que o designava como um sistema não linear de organização da informação. Quando cuidadosamente planeado o hipertexto tem várias vantagens: 

Ø     Sistemas de hipertexto enquanto ferramentas de ensino e aprendizagem parecem facilitar um ambiente no qual a aprendizagem acontece de forma acidental e por descoberta, pois ao tentar localizar uma informação, os usuários do hipertexto, participam activamente de um processo de busca e construção do conhecimento, forma de aprendizagem considerada como mais duradouras e transferível do que aquela directa e explicita.

Ø     Uma sala de aula onde se trabalha com hipertextos transforma-se num espaço transaccional apropriado ao ensino e aprendizagem colaborativos, mas também adequado ao atendimento de diferenças individuais, quanto ao grau de dificuldade, ritmo de trabalho e interesse.

 

“O acesso aos conteúdos num hipertexto ideal é completamente livre, interactivo e não sequencial entre os conteúdos, e entre estes e o utilizador, processo este que é organizado preferencialmente em ordem às necessidades e estilos individuais de aprendizagem e não por uma sequencia formal estabelecida pelo autor” (Dias 2000).

 

 

 

 

 

 

publicado por Fantastic 4 às 14:44

link do post | comentar | favorito
|

.Nós...no sentido figurado :)

.Pesquisar neste blog

 

.Junho 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.Posts recentes

. Vamos de Férias!!!!!

. As Tecnologias da Informa...

. Redes e contextos de educ...

. Processos colaborativos n...

. Impacto das comunidades d...

. Abordagens educacionais n...

. Educação e sociedade em r...

. uffa...já chegaram as fér...

. Correio electrónico

. O Modelo de Abraham Moles

.Arquivos

. Junho 2007

. Maio 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

.tags

. todas as tags

.Links